Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Esaf/RS capacita servidores da Universidade Federal de Pelotas

Notícias

Esaf/RS capacita servidores da Universidade Federal de Pelotas

Fabricio Colombo - Instrutor

Fabricio Colombo - Instrutor

Os cursos se justificam pela necessidade de conhecer-se os atos relativos aos procedimentos administrativos de instrução correta de processos, que constituem instrumentos diários de trabalho dos servidores.

Vinte e cinco servidores da Universidade Federal de Pelotas/RS (UFPEL) participam nesta semana (14 a 18/5) do curso “Processo Administrativo Disciplinar – PAD”, que já se encontra em sua vigésima edição no estado.
Em maio, também em parceria da Esaf do RS com a UFPEL, foram realizados os cursos de Noções de Direito Administrativo – 3ª Edição e Instrução de Processos Administrativos (Atualizado com o Sistema Eletrônico de Informações-SEI) – 8ª Edição. Ao todo, foram capacitados 65 servidores daquela instituição em maio, com total de 70 horas-aula.
 
Os cursos visaram aprimorar os conhecimentos dos servidores da UFPEL no que tange ao direito administrativo, em especial quanto às regras básicas de uma segura atuação administrativa na qualidade de servidores públicos, e nas melhores práticas relativas à instrução processual administrativa.
 
O instrutor Fabrício Colombo, ex-superintendente da Polícia Rodoviária Federal em Santa Catarina e atualmente em exercício na Controladoria-Geral da União naquele estado, ministrou os cursos de maio e comentou a importância dessas capacitações para a Administração Pública: “A sociedade recebedora dos serviços públicos não admite mais a prestação de atividade morosa, ineficiente e pouco efetiva. De igual modo os servidores públicos não admitem mais a repetição de condutas fundadas em sofismas de gestão, bem como são avessos ao fazer apenas em obediência à ordem hierárquica”, declarou o professor.

Colombo afirmou que o curso de Noções em Direito Administrativo surgiu a partir da necessidade de correção de falhas na formação dos profissionais que hoje operam o serviço público, pois o concurso público não capacita nem qualifica, apenas seleciona perfis e os impõe ao exercício da atividade pública “como se da noite para o dia houvesse uma transformação imediata dos candidatos em pessoas aptas e capazes de desenvolver a atividade pública”. Ele argumenta que na mesma linha se apresenta o curso de Instrução Processual para processos eletrônicos, com inovadoras regras de processamento eletrônico que alteram desde prazos até forma, tempo e lugar dos atos processuais.

Sobre a qualificação em Processo Administrativo Disciplinar, o professor afirma que o objetivo é preparar membros para compor comissões e capacitar os servidores a bem compreender direitos, deveres, impedimentos e suspeições, buscando minimizar riscos de uma ação com desvio de finalidade ou com inobservância de normas.
“O trabalho do servidor exige o conhecimento destas três matrizes, dentre tantas outras”, finalizou Fabrício Colombo.

registrado em: